Como Liderar na Crise

Enquanto uns choram, outros fabricam lenços…”, com esse mote, escrevi um artigo em 2008 que foi publicado no “O Estado de São Paulo” e em blogs, com grande repercussão. Ainda hoje o conteúdo daquela matéria continua sendo aplicável, ainda que os interlocutores e o ambiente sejam diversos.

Vamos focar no líder de negócios

Como liderar na crise, é a preocupação maior de um líder e aqui, deve desconsiderar qualquer fator emocional, que prejudicará a análise mais objetiva da questão. O líder deve focar em resultados, ponto. Ser um líder eficaz. Analisar criticamente as duas linhas desse resultado que é a da receita e despesa. Se em momentos como este a receita não reage às ações de marketing e de vendas, deve focar nas despesas. O jogo é manter a linha da receita sempre superior às das despesas e buscar um gap positivo, que é o seu papel como líder, buscar o lucro.

Se não há resposta na receita, deve cuidar das despesas, aqui deve se focar naquelas que apresentam maior risco para o negócio. Esses riscos devem ser mitigados, isto é, abrandados. Quais são as contas maiores? Pessoal, aluguel, fornecedores?

No pessoal dói mais

Mexer com o quadro de pessoal dói mais, é sempre difícil eliminar pessoas do quadro. Mesmo que a empresa tenha clareza quanto a questão de resultados, e tenha deixado isso claro na contratação. Mas, se contratar mal ou se o contratado não apresentar resultado no prazo definido, este deve ser cortado. Nas minhas empresas, essa regra é muito clara e as pessoas sabem desde o minuto inicial da contratação.

Procure pelos bajuladores

Para cortar pessoal, procure por aqueles que fazem “panelinhas”, que ouvem “atrás das portas”, que trazem as fofocas para você. Parece que estão cuidando dos interesses da empresa, mas são somente os deles que contam.  Geralmente estes se escondem por trás de cortesia em excesso. Aqueles que correm para abrir a porta para você e trazem cafezinho e água sem você pedir ou correm encontrá-lo no estacionamento, existem diversos sinais. Estes geralmente escondem sua incompetência por trás dessas “cortesias”, que devem ser dirigidas ao cliente, não a você. Mesmo não estando em crise o líder deve servir a si mesmo. Dar o exemplo a todos.

Cuidado com as despesas elevadas

Um aluguel de imóvel pode ser necessário para a atividade econômica, se não pode ser eliminado deve ser negociado. Aqui tudo á válido, desde uma redução no valor pago. Pagamento menor do valor durante um período. Carência em momentos de fluxo de caixa negativo. Depósito em juízo e mover uma ação para redução do valor. Existem empresas especializadas para isso, se for necessário contrate. Para o proprietário é bem melhor ter o imóvel alugado do que fechado.

Traga os fornecedores para perto

Além de negociar novos prazos, estique os prazos de pagamento. Negocie pagamento com o sucesso do projeto. Sempre encontrará verdadeiros parceiros na crise. Corte aqueles que querem ser apenas “fornecedores”. Faça permuta de serviços, produtos, o que for possível.  Eu tenho muitos parceiros de negócios.

Crises sempre foram oportunidades

Existem exemplos de muitas empresas que cresceram na crise e crescem! Aqueles que têm recurso tiram proveito desses momentos e é por isso que você não deve desistir. Se puder, busque recurso e invista nas oportunidades que se apresentam. Eu montei uma empresa em 2015, no momento que esta crise estava iniciando. Atravessamos 2016 economicamente equilibrados, lutando com questões financeiras, que fazem parte do dia a dia. A liderança da crise se dá a cada dia, cada semana. Fazendo leitura das decisões políticas que estão conturbadas, as decisões econômicas que estão incertas e o consumo que está retraído. Ainda contando com inadimplências que dificultam o fluxo de caixa positivo e a previsão de gastos.

Mexa-se!

Trabalhe, desenvolva projetos, busque inspiração, aprenda coisas novas, dedique tempo a inovação. Mesmo com toda dificuldade, converse com outras pessoas, instrua-se, busque informações, transforme-as em conhecimentos, use a sua capacidade de aprender.  Mexa-se, não fique imobilizado esperando a crise passar. Produza expectativas! Faça as coisas acontecerem, crie suas oportunidades.

Não se esqueça de recompensar os resilientes

Aqueles que sobreviverem com você, que não abandonaram o barco e que remaram juntos, não se esqueça de premiá-los depois desse momento de crise. Com posições, com salários, com sociedades, se realmente merecerem. Aqueles que trazem resultados e suportam juntas as dificuldades, merecem! Tenho pessoas com essas características, na minha equipe e com certeza serão meus sócios. Estarão preparados e fortalecidos depois da crise. Esse é o grande aprendizado.

Tudo que você precisa saber para Liderar Pessoas e Obter Resultados? CLIQUE AQUI e baixe gratuitamente o meu eBook.

Agora você pode acessar o mesmo conteúdo ministrado para grandes organizações Nacionais e Multinacionais e aplicar no dia a dia de sua empresa para alcançar melhores resultados. QUERO CONHECER O CURSO

Deixe uma resposta